2010/11/08

Broken Social Scene @ Aula Magna, 7 Nov '10

...E num mês cheio de (grandes) concertos, ontem foi a vez dos canadianos Broken Social Scene trazerem brilho à noite de Lisboa. Aguardava com expectativa o concerto deste grande colectivo canadiano, não só por tudo o que já fizeram, mas também pelo último álbum lançado, 'Forgiveness Rock Record', que é bastante bom.

Mais uma vez os BSS ultrapassaram todas as minhas expectativas, podendo mesmo considerar, na minha modesta opinião, que deram um dos melhores concertos de 2010, apesar de o considerar um bocado longo (cerca de 2 horas). As últimas 4 músicas talvez fossem desnecessárias, mas nada que incomodasse quem quer fosse do público.

Simpáticos, alegres e bem dispostos, o super-grupo proporcionou um espectáculo de nível superior, repleto de qualidade e com uma grande interacção com o público, mesmo que sem a presença de algumas participações especiais que a banda outrora tivera há alguns anos atrás.

O concerto regeu-se muito por temas do último álbum, mas também por temas de álbuns anteriores, nomeadamente, "Ibi Dreams of Pavement (A Better Day)", "Superconnected", entre outros tantos temas lado indie-rock que os BSS fazem tão bem. :)

Houve duas coisas que não percebi no concerto. Uma o facto de ser na Aula Magna... apesar de alguns temas serem efectivamente para "gente sentada", há muitos outros que não dava *mesmo* para uma pessoa estar sentada. A segunda coisa é algum público... apesar dos contagiantes temas dançáveis dos BSS (os tais que não nos conseguem ter presos à cadeira), havia algumas pessoas a dançarem de uma forma tão frenética, completamente fora de sentido. Parecia que estavam num a ouvir ao vivo o "Date With a Night" dos Yeah Yeah Yeahs. Por favor... Penso que deve ser da Aula Magna, já que vi situação semelhante em concertos de Cat Power e dos Yo La Tengo no mesmo local...

A 1ª parte do concerto ficou muito bem sob a responsabilidade dos Hipnótica que apresentou o seu mais recente álbum, 'Twelve-Wired Bird of Paradise', tendo mesmo tocado um dos temas mais bonitos feitos em Portugal em 2006/7, "Nico". Muito bom.

.:: Artigos relacionados com os Hipnótica neste blog: 1. Top Nacional 2007; 2. InterIndieCity Tracks-Set, 14 Set '07.


.:: Artigos relacionados com os Broken Social Scene neste blog: 1. Royal Bangs-"War Bells"; 2. Post-Nothing (Japandroids); 3. Tasting Delight-Set, 19 Dez '08; 4. Kraak no Coffee&Pot-Alexandre Herculano-Set, 27 Nov '08; 5. Something for All of Us... (Brendan Canning); 6. At Mount Zoomer (Wolf Parade); 7. Prémios by Kraak, 2007; 8. Kraak no Incógnito-Set, 25 Out '07; 9. Annuals; 10. The Besnard Lakes; 11. Blogger's Site Club, #2-Set, 9 Fev '07; 12. Tokyo Police Club; 13. The Victorian English Gentlemen Club; 14. Prémios by Kraak, #2; 15. Gigs '06; 16. Blogger's Site Club-Set, 16 Dez '06; 17. K.I.R. Royal-Set, 4 Nov '06; 18. ToKIL-Set, 21 Set '06; 19. The Dears; 20. (Short)Clip: Superconnected (Broken Social Scene) [para artigos mais antigos, aceder através do link definido em 20.].


..:: Automatic English (bad) Version powered by Google.

4 comentários:

Anónimo disse...

Se calhar o senhor não compreende o porquê de as pessoas dançarem assim "freneticamente" porque é um pouco idoso e cresceu com os slows..

Kraak disse...

Caro Anónimo, obrigado pelo seu comentário, mas engana-se no que diz sobre a minha pessoa, especialmente no que se refere aos slows. Se se der ao trabalho de ver um pouco os artigos deste blog, seguramente reformularia o seu comentário.

De qualquer forma e respeitando a sua opinião e a dos que dançaram "freneticamente", deixe-me que lhe diga que não fui o único a achar que estavam um pouco fora de contexto.

E não eram pessoas idosas.

Hugz!

Anónimo disse...

Só acho que cada um sente a música como quer. Já vi pessoas em concertos de metal completamente paradas. So what? Cada um transmite cá para fora o que quer, e ninguém tem nada com isso. Desde que as pessoas que dançaram freneticamente não o tenham pisado ou empurrado, não vejo a relevância da crítica. Mas pronto, isto é mais coisa do típico português: a mesquinhez, que leva sempre a comentar aquilo que não faz sentido ser comentado. Para a próxima, fique a ouvir os CD's da banda em casa, ao menos assim ninguém o incomoda e não tem que ver pessoas "fora do contexto" (esta expressão é gira, porque não fazia ideia de que havia uma regra de como devemos agir em certos concertos). Enfim, entristece ver que alguém como o senhor, que até me parece culto musicalmente, condena a forma como as pessoas sentem a música...

Kraak disse...

Caro (a) Anónimo (a), tem todo o direito de expressar o seu sentimento e não vou discutir isto nem sequer alimentar esta discussão, porque em dois comentários que já fez, chamou-me/referiu directa ou indirectamente "pouco idoso", "cresci com slows", "mesquinho" e manda recados "para eu ficar em casa a ouvir os CDs".

Verdade que "cada um sente a música como quer" e é verdade também que a sua forma de comentar também me entristece porque apesar de o factor em discussão não ter a menor importância, como bem refere, é aquela em que insiste assinalar.

Se acha que se deve portar da forma que bem entende num concerto de metal, pop, rock, indie-disco, música clássica ou jazz, isso é um problema seu. Se acha que pode criticar o que está escrito e "chamar-me nomes" também não deveria rejeitar o contraditório, como estou a fazer aqui consigo.

Não condeno ninguém pela forma como cada qual sente a música, antes pelo contrário, até porque sou bastante sensível nesse aspecto, mas como bem referiu, a partir do momento em que deixo de tirar partido do concerto porque estão muito perto de mim a "impedir-me" de também sentir a música, não chamaria a isso mesquinhez, mas sim egoísmo.

Teria muito gosto em continuar esta conversa consigo pessoalmente. Possivelmente um dia, nunca se sabe.

O concerto foi mega, não foi? Eu gostei bastante e foi um dos melhores que vi em 2010. Isto sim é que é importante.

Este blog é um espaço informal, por isso não é necessário tratar-me na 3ª pessoa, apesar de eu ser "um pouco idoso".

Hugz!